↑ Return to História da Igreja

Brasil

História da igreja de Deus no Brasil.

Na década de 1970, havia no Brasil, uma denominação chamada Igreja dos Primogênitos. Eles acreditavam na guarda do sábado, ainda que somente a parte clara, assim como a lei dos animais limpos e imundos, o uso do véu pelas irmãs, no batismo em nome de Jesus Cristo. Era uma época de busca pela verdade e como a Igreja dos Primogênitos, havia outras tantas, defendendo cada uma a sua visão da verdade.

Nesse cenário, surgiu em uma conversa o nome da Igreja de Deus e que ela possuía doutrinas parecidas com a igreja dos primogênitos. Porém, que esta igreja só existia no Estados Unidos da América. Deu-se assim, inicio a uma busca por endereço e tentativa de comunicação para conhecer a Igreja de Deus.

Em 1979 foi realizada a primeira viajem ao Estados Unidos da América, o pastor Altair Junqueira que falava um pouco da língua inglesa foi o escolhido e enviado para representar  a Igreja dos primogênitos. Visitou na oportunidade, algumas Igrejas de Deus na região Sul dos Estados Unidos e também, foi para o país e cidade do México, onde foi informado que havia a igreja de Deus. Como o espanhol é uma língua mais próxima do português, ficaria também melhor a comunicação entre as igrejas.

Com este primeiro contato, se adquiriu vários estudos sobre a fé da Igreja de Deus, aos poucos os demais pastores da Igreja dos Primogênitos começaram a ter conhecimento sobre o assunto, dando inicio a vários fóruns de debate e estudos do material recebido.

Durante aproximadamente cinco anos os irmãos do ministério da igreja dos primogênitos estudaram os pontos de fé da Igreja de Deus, conforme eram aceitos pela maioria, foram implantados na igreja dos Primogênitos. Assim, foi que mudaram o nome da igreja de Primogênitos para Igreja de Deus.

No ano de 1983 quando a maioria do ministério da igreja dos Primogênitos havia estudado e entendido que não eram de fato uma igreja, pois, não tinham o batismo vindo da linhagem apostólica e sim cada qual havia sido batizado em um grupo ou no grupo dos primogênitos, resolveram pedir o batismo para a igreja de Deus no México. Por este motivo no ano de 1984 veio ao Brasil o ministro Carlos Garcia Becerril e também o ministro Eduardo Sanders do Canadá. No mês de janeiro de 1984 foi realizado o batismo de nove antigos pastores do grupo dos Primogênitos, entre eles os ministros: Gilberto Pedro da Silva, Pedro Serafim, Benedito Poças, Luiz Gonzaga da Silva, Altair Junqueira, Almeida, Nilson Dias, João Ananias e Aganor.

De 1984 até 1992 a igreja seguia sua missão, batizando muitos dos irmãos que já pertenciam a antiga igreja dos primogênitos e ganhando muitas almas, a igreja crescia rápido e alcançava vários estado do Brasil, também Paraguai e Argentina.

No ano de 1992 começou a haver divisões interna na igreja devido ao rumo que a mesma tomava em direção ao centralismo. No decorrer dos anos a igreja cresceu muito, e um dos ministros que havia sido separado para trabalhar em tempo integral o Altair Junqueira começou a centralizar a administração e colocando pessoas novas na direção e neutralizando a atuação dos ministros mais antigos. No ano de 1992 descobriu-se que o ministro Junqueira não havia revelado a verdade sobre uma igreja norte Americana da cidade de Meridian – Idaho a qual havia afiliação como sendo também da Igreja de Deus, porém, na verdade esta igreja ou conferencia continha e contém vários desvios doutrinários. Devido a isso, foi realizado viajem ao México e ao USA na busca de informações sobre estas igrejas, já que havia fatos que envolviam o então ministro Altair Junqueira, sobre omissão de verdade. Com isso em 1993 foram ao México ministros Gilberto Pedro da Silva e Altair Junqueira acompanhados pelo diácono Antônio Tortato.

Do México seguiu viagem a cidade de Meridian – USA, o diácono Tortato e o ministro Altair Junqueira, pois o ministro Gilberto não conseguiu o visto.

Tendo comprovado os fatos de que a igreja de Deus em Meridian não defendia a mesma doutrina que a igreja de Deus no México. Em Meridian não há uso e costumes, assim as mulheres se vestem como querem, cortam o cabelo da forma que desejam e não usam o véu. Defendem a justificação pela fé, desta forma basta a pessoa crer, não precisa guardar os mandamentos, não há distinção na alimentação e muitas outras coisas. Porém o ministro Junqueira havia introduzido algumas doutrinas de Meridiam na igreja Brasileira e que se pensava ser doutrina da igreja de Deus.

A Conferencia General de la Iglesia de Dios en Mexico enviou no fim do ano de 1993 os ministros Herber Garcia e o Carlos Garcia Becerril para o Concilio Geral na cidade de Curitiba/PR. Eles constataram que infelizmente a igreja de Deus Brasileira estava seguindo um caminho errado, deixando a Autonomia local e se centralizando em torno de um homem.  Após o Concilio os ministros Mexicanos visitaram algumas igrejas em Curitiba e também no estado de São Paulo antes de retornarem ao México.

Preocupados com o que viram no Brasil, a igreja de Deus no México, através do ministro Carlos Garcia enviou varias cartas posteriormente ao ministro Junqueira para que o mesmo voltasse ao que era a igreja no principio, porém ele não aceitou.  Do fim de 1993 até o inicio de 1995 foram feitas algumas reuniões ministeriais na finalidade de resolver o impasse, porém a situação somente se agravou. Desta forma a igreja de Deus no México resolveu realizar um Concilio no Brasil na cidade de Cachoeira Paulista/SP onde havia a igreja iniciado no Brasil. Porém quando o ministro Altair Junqueira soube, marcou para a mesma data um fórum na cidade de Curitiba na tentativa de evitar a presença dos ministros brasileiros em Cachoeira Paulista, confundindo na verdade a todos dizendo que o ministro Carlos Garcia viria a Curitiba.

No Concilio em Cachoeira Paulista esteve presente o ministro Carlos Garcia representando a Conferencia General de la Iglesia de Dios. E apesar de serem convidados todos os ministros e obreiros do Brasil inclusive o Junqueira. Como mencionado, o Junqueira além de não ir, realizou um fórum ministerial em Curitiba na mesma data, e com isso a maioria dos ministros e obreiros vieram a Curitiba e não para Cachoeira Paulista. Na verdade estiveram em Cachoeira Paulista somente os ministros Pedro Serafim, Gilberto Pedro da Silva, Domingos Martins das Graças, Luiz Carlos ribeiro, Nilson Dias, Sebastião Gouvêa e obreiros da região assim como Osmar Bernardes de Palhoça entre outros.

Devido à repercussão, foi decidido no fórum em Curitiba que deveriam ligar para o ministro Garcia e convidar a ele para vir a Curitiba. Isso foi feito, sendo o obreiro Benjamin Revak da Argentina o interlocutor já que falavam a mesma língua. A ligação foi realizada na casa do Junqueira ou no escritório e estavam presentes os ministros José Carlos Delfino, Altair Junqueira e o irmão Benjamin Revak. Na conversa o ministro Carlos Garcia disse que viria sim e que o ministro Gilberto e outros viriam juntos, o que o ministro Junqueira não aceitou e disse que se viessem nem eles e nem o Carlos Garcia poderiam falar nada, somente ouvir. Com isso não houve clima para virem à reunião, porém o Junqueira com medo de que viessem, acabou dizendo no dia seguinte que estava mal e acabou a reunião antes do previsto e no dia posterior foi viajar junto com o irmão Samuel Marques para a cidade de Meridian no USA.

Mediante o ocorrido o ministro José Carlos Delfino convidou o ministro Carlos Garcia a vir a Curitiba e se hospedar na casa dele, na época morava no fundo da igreja de Deus no Bairro Alto, onde era pastor. E de fato ele veio, porém o Junqueira já havia viajado e a maioria dos ministros retornados as suas cidades. Assim, alguns ministros da região do Paraná e Santa Catarina, ainda foram falar com o ministro Carlos Garcia.

Diante dos fatos a igreja de Deus no México considerou que a igreja de Deus no Brasil havia ferido clausulas do certificado de afiliação recebido da igreja de Deus no México. Sendo assim, o ministério Mexicano rompeu a filiação da igreja e a organização administrada pelo então ministro Junqueira, que foi considerado (desafiliado) ou fora da igreja de Deus no México. Que todos os atos praticados por ele não seriam mais aceito pela Igreja de Deus Mexicana. Assim, escreveram cartas que foram enviadas a todos os ministros e representantes da igreja de Deus no Brasil. Mediante a situação e entendo a sua gravidade, alguns ministros brasileiros resolveram pedir para permanecer ligados a igreja de Deus no México e determinados a seguir suas recomendações.  Assim, teve o que se pode dizer uma divisão na igreja de Deus no Brasil.

Na época o ministro Carlos Garcia Becerril afirmou que o fim do Junqueira seria trágico espiritualmente, pois aos poucos ele iria se afastar da verdadeira doutrina recebida e seguiria outra direção doutrinária. O que de fato veio a se concretizar pouco tempo depois.

Na verdade a sabedoria e a espiritualidade desses ministros mexicanos que viveram décadas defendendo a verdadeira doutrina e que passaram por problemas semelhantes, por isso tinham o conhecimento do que iria acontecer na Igreja de Deus no Brasil e para evitar um estrago maior por parte do inimigo, agiram a tempo de salvar a Igreja de uma destruição. Menosprezar isso é no mínimo ser muito infantil espiritualmente. Como diz Salomão “Há caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.” Provérbios 14:12

No decorrer dos anos o ex. ministro Junqueira mostrou o que queria. Primeiro centralizou a igreja e aos poucos transformou sua igreja em um seguimento judaico.

Alguns obreiros, no decorrer dos anos, em meados de 2001 vendo que ficaram do lado errado, acabaram dividindo o grupo do Junqueira, mas, infelizmente, em vez de retornar a raiz da Igreja de Deus, acabaram montando outro seguimento religioso, mudaram algumas doutrinas e formaram a Igreja de Deus sistema Congregacional. Devido a desilusão com seu antigo líder que havia centralizado tudo, desenvolveram a doutrina do sistema congregacional (cada congregação uma igreja) e começaram a pregar contra o dízimo, dizendo não ser em dinheiro e que não faz parte das doutrinas do Novo Testamento ou Nova Aliança. No início havia várias congregações que com o tempo foram se separando, algumas se uniram a OGID, outras se acabaram e umas poucas existem hoje em dia (2018).

Mais tarde, no ano de 2005, outro grupo descontente com a introdução de pretensas pratica judaica na igreja que o Altair Junqueira liderava criaram outra divisão, surgiu assim a UNID.

Algo relevante é que estes grupos que se formaram, sabiam da existência da OGID, sabiam que as igrejas de Deus no México apoiava a OGID, que ela defendia a verdadeira fé da Igreja de Deus não só do México mais de vários países onde ela se encontra, mesmo assim, nunca buscaram saber a verdadeira história ocorrida em 1995, não se perceberam que se não houvesse a intervenção da Igreja de Deus Mexicana na época, a Igreja de Deus no Brasil poderia ter se acabado. Porém, uma verdade ninguém pode negar, a OGID procurou a todos, procurando esclarecer e unir, mas devido a dureza de coração não aceitaram a não ser algumas congregações isoladamente e mesmo assim, algumas não permaneceram.

A Igreja de Deus  que formou a  OGID em 1995 manteve a fé original e continuou a crescer, alguns desses grupos dissidentes do Junqueira  acabaram se unindo a OGID como mencionado.

A OGID continua ligada a Conferencia General de la Iglesia de Dios en México mantendo a fé da Igreja de Deus a nível mundial.

Certamente que algumas igrejas também no decorrer dos anos saíram da OGID e formaram outros grupos pequenos, alguns seguiram pelo caminho de práticas judaicas.

O grupo do Junqueira seguiu com divisões cada vez maiores, porém, já não há nada de doutrina que se possa considerar igreja de Deus.

José Carlos Delfino